Buscar
  • Luciano Ducci

Relator da Cannabis promete uma regulação voltada ao paciente



Os deputados federais Eduardo Costa (PTB-PA), Paulo Teixeira (PT-SP) e Luciano Ducci (PSB-PR) passaram a última quinta (13) e sexta-feira (14) em uma agenda apertada de reuniões com políticos, empresários e associações em Bogotá. Integrantes da comissão da Câmara que estuda e analisa legislações sobre o comércio da Cannabis medicinal, os três possuem uma preocupação em mente: propor uma regulação eficiente que garanta o acesso ao paciente.


Em todas as conversas, o cultivo foi uma questão recorrente. Para os deputados, ele é fundamental para baixar o custo do produto final. Mas como garantir um plantação segura? Ela deve ser indoor, como no Canadá, ou em estufas, como na Colômbia?


A Cannabis elaborada para medicamentos precisa ter o meio ambiente controlado, protegido do ataque de pragas, e solo orgânico. Na Colômbia, o cânhamo é plantado em envernadeiros, espécies de estufas, com ventilação e irrigação adequadas. Os deputados tiveram uma reunião com o estafe da Khiron, empresa de Cannabis, cujo o fundador e o CEO são colombianos, e criada no Canadá.


Um dos cultivos da empresa, em solo colombiano, tem 40.000 plantas. Cada muda leva uma tag, com código de barras, e data de plantio. “Temos um sistema hidropônico de plantação”, explicou o CEO da empresa Álvaro Torres. “O sistema garante que a alimentação das plantas seja feita apenas com os nutrientes que desejamos. Temos grande preocupação com a qualidade do produto final.”


No terreno, também fica o laboratório de extração, que custou US$ 6 milhões. Para garantir a segurança do espaço, o complexo é protegidos com cercas eletrificadas, entrada controlada por guarita e câmeras de segurança. O custo de instalação do projeto, incluindo o laboratório, ficou em U$ 10 milhões.


Comissão nacional da Cannabis toma café da manhã no escritório da Khiron, em Bogotá: Paulo Texeira (à esq, de paletó cinza), ao lado dele, Eduardo Costa (camisa azul petróleo) e a frente Luciano Ducci (paletó azul).

(Foto: Daniel Jaramillo/ Divulgação)


“A Khiron está preocupada mais com a qualidade do que com a segurança do espaço”, observou o relator. “Não podemos começar com um nível tão alto de produto, pois o custo seria repassado ao consumidor final.” Para Teixeira, “também é preciso pensar em um tipo de cultivo que integre os pequenos produtores”.


https://cannabisinc.blogfolha.uol.com.br/2020/02/17/relator-da-cannabis-promete-uma-regulacao-voltada-ao-paciente/



1 visualização0 comentário
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
  • Instagram